Музыкана peoples.ru

Зека Афонсо Зека АфонсоПортугальский музыкант

A Acupunctura Em Odmira

Ainda bem que i verdade

Ainda bem que i mentira

A acupunctura em Odemira

Ainda bem que ha quem viva

Em Odeceixe

E se peide ` vontade

Na Rua Espinha de Peixe < ...

Зека Афонсо

A Acupunctura Em Odmira

Ainda bem que i verdade

Ainda bem que i mentira

A acupunctura em Odemira

Ainda bem que ha quem viva

Em Odeceixe

E se peide ` vontade

Na Rua Espinha de Peixe < ...

Зека Афонсо

A Formiga No Carreiro

A formiga no carreiro

Vinha em sentido cantrario

Caiu ao Tejo

Ao pi dum septuagenario

Larpou trepou `s tabuas

Que flutuavam nas `guas

E de cima duma delas

Зека Афонсо

A Formiga No Carreiro

A formiga no carreiro

Vinha em sentido cantrario

Caiu ao Tejo

Ao pi dum septuagenario

Larpou trepou `s tabuas

Que flutuavam nas `guas

E de cima duma delas

Зека Афонсо

A Morte Saiu Rua

A formiga no carreiro

Vinha em sentido cantrrio

Caiu ao Tejo

Ao p dum septuagenrio

Larpou trepou s tbuas

Que flutuavam nas guas

E de cima duma delas

Virou-se ...

Зека Афонсо

A Morte Saiu Rua

A formiga no carreiro

Vinha em sentido cantrrio

Caiu ao Tejo

Ao p dum septuagenrio

Larpou trepou s tbuas

Que flutuavam nas guas

E de cima duma delas

Virou-se ...

Зека Афонсо

A Mulher Da Erva

A morte

Saiu rua

Num dia assim

Naquele

Lugar sem nome

Pra qualquer fim

Uma

Gota rubra

sobre a calada

Cai

E um rio

De sangue

Dum ...

Зека Афонсо

A Mulher Da Erva

A morte

Saiu rua

Num dia assim

Naquele

Lugar sem nome

Pra qualquer fim

Uma

Gota rubra

sobre a calada

Cai

E um rio

De sangue

Dum ...

Зека Афонсо

A Presena Das Formigas

Velha da terra morena

Pensa que e j lua cheia

Vela que a onda condena

Feita em pedaos na areia

Saia rota

Subindo a estrada

Inda a noite

Rompendo vem

A m ...

Зека Афонсо

A Presena Das Formigas

Velha da terra morena

Pensa que e j lua cheia

Vela que a onda condena

Feita em pedaos na areia

Saia rota

Subindo a estrada

Inda a noite

Rompendo vem

A m ...

Зека Афонсо

Adeus Serra Da Lapa

A presena das formigas

Nesta oficina caseira

A regra de trs composta

s tantas da madrugada

Maria que eu tanto prezo

E por modstia me ama

A longa noite de insnia

Зека Афонсо

Adeus Serra Da Lapa

A presena das formigas

Nesta oficina caseira

A regra de trs composta

s tantas da madrugada

Maria que eu tanto prezo

E por modstia me ama

A longa noite de insnia

Зека Афонсо

Ail Ail

Adeus serra da Lapa

Adeus que te vou deixar

minha terra minha enxada

No fao gosto em voltar

Companheiros de aventura

Vinde comigo viajar

A noite negra a vida d ...

Зека Афонсо

Ail Ail

Adeus serra da Lapa

Adeus que te vou deixar

minha terra minha enxada

No fao gosto em voltar

Companheiros de aventura

Vinde comigo viajar

A noite negra a vida d ...

Зека Афонсо

Ali Est O Rio

Limpa a bota

Cava na trincheira

Puxa-lhe

Pela crina

Corta as pinas

centopeia

Pe-lhe uma pedra

Em cima

Mata a bicha

Que est bem cheia

Morde- ...

Зека Афонсо

Ali Est O Rio

Limpa a bota

Cava na trincheira

Puxa-lhe

Pela crina

Corta as pinas

centopeia

Pe-lhe uma pedra

Em cima

Mata a bicha

Que est bem cheia

Morde- ...

Зека Афонсо

Alpio De Freitas

*

Altos castelos de branco luar

Linda menina que vai casar

Torres cinzentas que do para o vento

Dentro do meu pensamento

Eu l na serra no sou ningum

Se fores pr gue ...

Зека Афонсо

Alpio De Freitas

*

Altos castelos de branco luar

Linda menina que vai casar

Torres cinzentas que do para o vento

Dentro do meu pensamento

Eu l na serra no sou ningum

Se fores pr gue ...

Зека Афонсо

Altos Castelos

Ali est o rio

Dois homens na margem esto

Se um d um passo o outro hesita

Ser um valente? O outro no?

Bom negcio faz um deles

Tem o triunfo na mo

Do outro lado do ri ...

Зека Афонсо

Altos Castelos

Ali est o rio

Dois homens na margem esto

Se um d um passo o outro hesita

Ser um valente? O outro no?

Bom negcio faz um deles

Tem o triunfo na mo

Do outro lado do ri ...

Зека Афонсо

Arcebispada

Baa de Guanabara

Santa Cruz na fortaleza

Est preso Alpio de Freitas

Homem de grande firmeza

Em Maio de mil setenta

Numa casa clandestina

Com campanheira e a filha

Зека Афонсо

Arcebispada

Baa de Guanabara

Santa Cruz na fortaleza

Est preso Alpio de Freitas

Homem de grande firmeza

Em Maio de mil setenta

Numa casa clandestina

Com campanheira e a filha

Зека Афонсо

Avenida De Angola

Pregais o Cristo de Braga

Fazeis a guerra na rua

Sempre virados pr cu

Sempre virados pr Virgem

A Santa Cruzada manda

Matar o chivo vermelho

Contra a foice e o marte ...

Зека Афонсо

Avenida De Angola

Pregais o Cristo de Braga

Fazeis a guerra na rua

Sempre virados pr cu

Sempre virados pr Virgem

A Santa Cruzada manda

Matar o chivo vermelho

Contra a foice e o marte ...

Зека Афонсо

Balada Do Outono

Dum boto de branco punho

Dum brao de fora preto

Vou pedir contas ao mundo

Alm naquele coreto

L vai uma l vo duas

Trs pombas a descansar

Uma minha outra tua

...

Зека Афонсо

Balada Do Outono

Dum boto de branco punho

Dum brao de fora preto

Vou pedir contas ao mundo

Alm naquele coreto

L vai uma l vo duas

Trs pombas a descansar

Uma minha outra tua

...

Зека Афонсо

Balada Do Sino

guas

E pedras do rio

Meu sono vazio

No vo

Acordar

guas

Das fontes

calai

ribeiras chorai

Que eu no volto

A cantar

Rios que vo dar ao m ...

Зека Афонсо

Balada Do Sino

guas

E pedras do rio

Meu sono vazio

No vo

Acordar

guas

Das fontes

calai

ribeiras chorai

Que eu no volto

A cantar

Rios que vo dar ao m ...

Зека Афонсо

Cano Da Pacincia

Somos filhos da madrugada

Pelas praias do mar nos vamos

procura de quem nos traga

Verde oliva de flr no ramo

Navegamos de vaga em vaga

No soubemos de dor nem mgoa

...

Зека Афонсо

Cano Da Pacincia

Somos filhos da madrugada

Pelas praias do mar nos vamos

procura de quem nos traga

Verde oliva de flr no ramo

Navegamos de vaga em vaga

No soubemos de dor nem mgoa

...

Зека Афонсо

Cano De Embalar

Muitos sis e luas iro nascer

Mais ondas na praia rebentar

J no tem sentido ter ou no ter

Vivo com o meu dio a mendigar

Tenho muitos anos para sofrer

Mais do que uma vida ...

Зека Афонсо

Cano De Embalar

Muitos sis e luas iro nascer

Mais ondas na praia rebentar

J no tem sentido ter ou no ter

Vivo com o meu dio a mendigar

Tenho muitos anos para sofrer

Mais do que uma vida ...

Зека Афонсо

Cano Do Desterro

Dorme meu menino a estrela d'alva

J a procurei e no a vi

Se ela no vier de madrugada

Outra que eu souber ser pra ti

Outra que eu souber na noite escura

Sobre o teu sorris ...

Зека Афонсо

Cano Do Desterro

Dorme meu menino a estrela d'alva

J a procurei e no a vi

Se ela no vier de madrugada

Outra que eu souber ser pra ti

Outra que eu souber na noite escura

Sobre o teu sorris ...

Зека Афонсо

Canta O Colie

Uma barquinha

L vem l vem

Dim Dem

Na barquinha de Belm

Senhor Barqueiro

Quem leva a

Do Dim

Na barquinha d'Aladim

Levo a cativa

Duma s vez

Do ...

Зека Афонсо

Canta O Colie

Uma barquinha

L vem l vem

Dim Dem

Na barquinha de Belm

Senhor Barqueiro

Quem leva a

Do Dim

Na barquinha d'Aladim

Levo a cativa

Duma s vez

Do ...

Зека Афонсо

Canta O Comerciante

para Urga

Que a gente vai

Para Urga caminho

Caminho para l

Em Urga os bandidos

No me ho-de apanhar

Eu hei-de vencer

Eu hei-de vencer

Entre mim e Urga

Зека Афонсо

Canta O Comerciante

para Urga

Que a gente vai

Para Urga caminho

Caminho para l

Em Urga os bandidos

No me ho-de apanhar

Eu hei-de vencer

Eu hei-de vencer

Entre mim e Urga

Зека Афонсо

Canta O Juiz

Eu marchava de dia e de noite

Mais do que um dia de avano ganhei

S o forte tem sorte

Para o fraco o chicote

Mais que um dia de avano ganhei

Mais que um dia de avano ganh ...

Зека Афонсо

Canta O Juiz

Eu marchava de dia e de noite

Mais do que um dia de avano ganhei

S o forte tem sorte

Para o fraco o chicote

Mais que um dia de avano ganhei

Mais que um dia de avano ganh ...

Зека Афонсо

Cantar Alentejano

Matar-te a sede uma vez

No penses nisso se s homem

Faz o mesmo que este fez

A regra dente por dente

Ningum atende excepo

S os loucos no aprendem

Desta verdade a r ...

Зека Афонсо

Cantar Alentejano

Matar-te a sede uma vez

No penses nisso se s homem

Faz o mesmo que este fez

A regra dente por dente

Ningum atende excepo

S os loucos no aprendem

Desta verdade a r ...

Зека Афонсо

Cantiga Do Monte

Chamava-se Catarina

O Alentejo a viu nascer

Serranas viram-na em vida

Baleizo a viu morrer

Ceifeiras na manh fria

Flores na campa lhe vo pr

Ficou vermelha a campina ...

Зека Афонсо

Cantiga Do Monte

Chamava-se Catarina

O Alentejo a viu nascer

Serranas viram-na em vida

Baleizo a viu morrer

Ceifeiras na manh fria

Flores na campa lhe vo pr

Ficou vermelha a campina ...

Зека Афонсо

Cantigas De Maio

Fragncia morena

Portal de marfim

Ondina aucena

Chamando por mim

Cantiga do monte

Clareira do ar

Danando na nuvem

Mudando em mar

Na flor da montanha

Зека Афонсо

Cantigas De Maio

Fragncia morena

Portal de marfim

Ondina aucena

Chamando por mim

Cantiga do monte

Clareira do ar

Danando na nuvem

Mudando em mar

Na flor da montanha

Зека Афонсо

Canto Moo

(letra do refro: popular)

Eu fui ver a minha amada

L p'rs baixos dum jardim

Dei-lhe uma rosa encarnada

Para se lembrar de mim

Eu fui ver o meu benzinho

L p'rs lados ...

Зека Афонсо

Canto Moo

(letra do refro: popular)

Eu fui ver a minha amada

L p'rs baixos dum jardim

Dei-lhe uma rosa encarnada

Para se lembrar de mim

Eu fui ver o meu benzinho

L p'rs lados ...

Зека Афонсо

Carta a Miguel Djj

(Emigrantes)

Vieram cedo

Mortos de cansao

Adeus amigos

No voltamos c

O mar to grande

E o mundo to largo

Maria Bonita

Onde vamos morar

Na barcaro ...

Зека Афонсо

Carta a Miguel Djj

(Emigrantes)

Vieram cedo

Mortos de cansao

Adeus amigos

No voltamos c

O mar to grande

E o mundo to largo

Maria Bonita

Onde vamos morar

Na barcaro ...

Зека Афонсо

Chamaram Me Cigano

Diga amigo Miguel

Como est voc?

Em todo o Xipamanine

J ningum o v

Vou dar-lhe a minha viola

Para tocar outra vez

O seu valor um dia

Voc mostrou

Todo o m ...

Зека Афонсо

Chamaram Me Cigano

Diga amigo Miguel

Como est voc?

Em todo o Xipamanine

J ningum o v

Vou dar-lhe a minha viola

Para tocar outra vez

O seu valor um dia

Voc mostrou

Todo o m ...

Зека Афонсо

Chula Do Pvoa

Chamaram-me um dia

Cigano e malts

Menino, no s boa rs

Abri uma cova

Na terra mais funda

Fiz dela

A minha sepultura

Entrei numa gruta

Matei um trito

Зека Афонсо

Chula Do Pvoa

Chamaram-me um dia

Cigano e malts

Menino, no s boa rs

Abri uma cova

Na terra mais funda

Fiz dela

A minha sepultura

Entrei numa gruta

Matei um trito

Зека Афонсо

Com As Minhas Tamanquinhas

A fadiga i um dom da natureza

Chiga!

Com as minhas tamanquinhas

Com as minhas

Com as minhas tamanquinhas

P'ra quem nao faz fortuna

Mata as penas e faz covinha ...

Зека Афонсо

Com As Minhas Tamanquinhas

A fadiga i um dom da natureza

Chiga!

Com as minhas tamanquinhas

Com as minhas

Com as minhas tamanquinhas

P'ra quem nao faz fortuna

Mata as penas e faz covinha ...

Зека Афонсо

Como Se Faz Um Canalha

A fadiga um dom da natureza

Chia!

Com as minhas tamanquinhas

Com as minhas

Com as minhas tamanquinhas

P'ra quem no faz fortuna

Mata as penas e faz covinhas

P ...

Зека Афонсо

Como Se Faz Um Canalha

A fadiga um dom da natureza

Chia!

Com as minhas tamanquinhas

Com as minhas

Com as minhas tamanquinhas

P'ra quem no faz fortuna

Mata as penas e faz covinhas

P ...

Зека Афонсо

Coro Da Primavera

Conheci-te ainda moo

Ou como tal eu te via

Habitavas o Procpio

Ias ao Napoleo

Mas ningum sabia ao certo

Como se faz um canalha

Se a memria me no falha

Tinhas ...

Зека Афонсо

Coro Da Primavera

Conheci-te ainda moo

Ou como tal eu te via

Habitavas o Procpio

Ias ao Napoleo

Mas ningum sabia ao certo

Como se faz um canalha

Se a memria me no falha

Tinhas ...

Зека Афонсо

De No Saber O Que Se Espera

Cobre-te canalha

Na mortalha

Hoje o rei vai nu

Os velhos tiranos

De h mil anos

Morrem como tu

Abre uma trincheira

Companheira

Deita-te no cho

Semp ...

Зека Афонсо

De No Saber O Que Se Espera

Cobre-te canalha

Na mortalha

Hoje o rei vai nu

Os velhos tiranos

De h mil anos

Morrem como tu

Abre uma trincheira

Companheira

Deita-te no cho

Semp ...

Зека Афонсо

Enquanto H Fora

De no saber o que me espera

Tirei a sorte minha guerra

Recolhi sombras onde vira

Luzes de orvalho ao meio-dia

Vtima de s haver vaga

Entre uma mo e uma espada

Mas q ...

Зека Афонсо

Enquanto H Fora

De no saber o que me espera

Tirei a sorte minha guerra

Recolhi sombras onde vira

Luzes de orvalho ao meio-dia

Vtima de s haver vaga

Entre uma mo e uma espada

Mas q ...

Зека Афонсо

Era Um Redondo Vocbulo

Enquanto h fora

No brao que vinga

Que venham ventos

Virar-nos as quilhas

Seremos muitos

Cantai rapazes

Danai raparigas

E vs altivas

Cantai tambm

L ...

Зека Афонсо

Era Um Redondo Vocbulo

Enquanto h fora

No brao que vinga

Que venham ventos

Virar-nos as quilhas

Seremos muitos

Cantai rapazes

Danai raparigas

E vs altivas

Cantai tambm

L ...

Зека Афонсо

Eu Vou Ser Como a Toupeira

Era um redondo vocbulo

Uma soma agreste

Revelavam-se ondas

Em maninhos dedos

Polpas seus cabelos

Resduos de lar,

Pelos degraus de Laura

A tinta caa

No m ...

Зека Афонсо

Eu Vou Ser Como a Toupeira

Era um redondo vocbulo

Uma soma agreste

Revelavam-se ondas

Em maninhos dedos

Polpas seus cabelos

Resduos de lar,

Pelos degraus de Laura

A tinta caa

No m ...

Зека Афонсо

Fui Beira Do Mar

Eu vou ser como a toupeira

Que esburaca

Penitncia, diz a hidra

Quando seca

Eu vou ser como a gibia

Que atormenta

No h luz que no se veja

Da charneca

E ...

Зека Афонсо

Fui Beira Do Mar

Eu vou ser como a toupeira

Que esburaca

Penitncia, diz a hidra

Quando seca

Eu vou ser como a gibia

Que atormenta

No h luz que no se veja

Da charneca

E ...

Зека Афонсо

Fura Fura

Fui beira do mar

Ver a que l havia

Ouvi uma voz cantar

Que ao lange me dizia

cantador alegre

Que da tua alegria

Tens tanto para andar

E a noite est to fria ...

Зека Афонсо

Fura Fura

Fui beira do mar

Ver a que l havia

Ouvi uma voz cantar

Que ao lange me dizia

cantador alegre

Que da tua alegria

Tens tanto para andar

E a noite est to fria ...

Зека Афонсо

Gasto Era Perfeito

Veio l da terra

Um homem

Tentar a ventura

Pe a roupa

Na maleta

L vai de abalada

No pensa em voltar

Faz como a formiga

Fura fura

Fura sem parar

Зека Афонсо

Gasto Era Perfeito

Veio l da terra

Um homem

Tentar a ventura

Pe a roupa

Na maleta

L vai de abalada

No pensa em voltar

Faz como a formiga

Fura fura

Fura sem parar

Зека Афонсо

Grndola Vila Morena

Gasto era perfeito

Conduzido por seu dono

Em sanolncias afeito

s picadas dos mosquitos

Era Gasto milionrio

Vivia em tapetes raros

Se lhe viravam as costas

Cha ...

Зека Афонсо

Grndola Vila Morena

Gasto era perfeito

Conduzido por seu dono

Em sanolncias afeito

s picadas dos mosquitos

Era Gasto milionrio

Vivia em tapetes raros

Se lhe viravam as costas

Cha ...

Зека Афонсо

J O Tempo Se Habitua

Grndola, vila morena

Terra da fraternidade

O povo quem mais ordena

Dentro de ti, cidade

Dentro de ti, cidade

O povo quem mais ordena

Terra da fraternidade
...

Зека Афонсо

J O Tempo Se Habitua

Grndola, vila morena

Terra da fraternidade

O povo quem mais ordena

Dentro de ti, cidade

Dentro de ti, cidade

O povo quem mais ordena

Terra da fraternidade
...

Зека Афонсо

L No Xepangara

J o tempo

Se habitua

A estar alerta

No h luz

Que no resista

noite cega

J a rosa

Perde o cheiro

E a cor vermelha

Cai a flor

Da laranjeira

Зека Афонсо

L No Xepangara

J o tempo

Se habitua

A estar alerta

No h luz

Que no resista

noite cega

J a rosa

Perde o cheiro

E a cor vermelha

Cai a flor

Da laranjeira

Зека Афонсо

L Vm Os Nossos Soldados

L no Xepangara

Vai nascer menino

Dentro da palhota

Tem a seu destino

L no Xepangara

Fica muito bem

Deitado na esteira

Ao lado da me

H-de ter um nome

Зека Афонсо

L Vm Os Nossos Soldados

L no Xepangara

Vai nascer menino

Dentro da palhota

Tem a seu destino

L no Xepangara

Fica muito bem

Deitado na esteira

Ao lado da me

H-de ter um nome

Зека Афонсо

L Vm Subindo O Abismo

*

L vm os nossos soldados

Esses, sim, sabemos quem so

Os nossos filhos, os nossos irmos

Os nossos pais, diz a criana

No tenhamos medo

Pois ningum melhor

Poder ...

Зека Афонсо

L Vm Subindo O Abismo

*

L vm os nossos soldados

Esses, sim, sabemos quem so

Os nossos filhos, os nossos irmos

Os nossos pais, diz a criana

No tenhamos medo

Pois ningum melhor

Poder ...

Зека Афонсо

Maio Maduro Maio

*

L vm subindo o abismo

Da sombra donde vieram

J sem medo e sem vergonha

Virados pr luz do dia

Ser esta a nossa porta?

Perguntavam um pouco inquietos

Por tere ...

Зека Афонсо

Maio Maduro Maio

*

L vm subindo o abismo

Da sombra donde vieram

J sem medo e sem vergonha

Virados pr luz do dia

Ser esta a nossa porta?

Perguntavam um pouco inquietos

Por tere ...

Зека Афонсо

Minha Me

Maio maduro Maio

Quem te pintou

Quem te quebrou o encanto

Nunca te amou

Raiava o Sol j no Sul

E uma falua vinha

L de Istambul

Sempre depois da sesta

Cha ...

Зека Афонсо

Minha Me

Maio maduro Maio

Quem te pintou

Quem te quebrou o encanto

Nunca te amou

Raiava o Sol j no Sul

E uma falua vinha

L de Istambul

Sempre depois da sesta

Cha ...

Зека Афонсо

Natal Dos Simples

minha me minha me

minha me minha amada

Quem tem uma me tem tudo

Quem no tem me no tem nada *

Quem no tem me no tem nada

Quem a perde pobrezinho

minha me minha me ...

Зека Афонсо

Natal Dos Simples

minha me minha me

minha me minha amada

Quem tem uma me tem tudo

Quem no tem me no tem nada *

Quem no tem me no tem nada

Quem a perde pobrezinho

minha me minha me ...

Зека Афонсо

Nefretite No Tinha Papeira

Vamos cantar as janeiras

Vamos cantar as janeiras

Por esses quintais adentro vamos

s raparigas solteiras

Vamos cantar orvalhadas

Vamos cantar orvalhadas

Por esses q ...

Зека Афонсо

Nefretite No Tinha Papeira

Vamos cantar as janeiras

Vamos cantar as janeiras

Por esses quintais adentro vamos

s raparigas solteiras

Vamos cantar orvalhadas

Vamos cantar orvalhadas

Por esses q ...

Зека Афонсо

No Meu Bem

Nefretite no tinha papeira

Tuthankamon apetite

J minha av me dizia

Olha que a sopa arrefece

Nos funerais de antanho

As capicuas gritavam

E s escuras na cozinha

Зека Афонсо

No Meu Bem

Nefretite no tinha papeira

Tuthankamon apetite

J minha av me dizia

Olha que a sopa arrefece

Nos funerais de antanho

As capicuas gritavam

E s escuras na cozinha

Зека Афонсо

No Seremos Pais Incgnitos

A pele seca para curtir

- No meu bem

A cara magra para sorrir

- No meu bem

A cama boa para dormir

- No meu bem

A corda boa para subir

- No meu bem

Зека Афонсо

No Seremos Pais Incgnitos

A pele seca para curtir

- No meu bem

A cara magra para sorrir

- No meu bem

A cama boa para dormir

- No meu bem

A corda boa para subir

- No meu bem

Зека Афонсо

O Av Cavernoso

No seremos pais incgnitos

Netos de filhos ignaros

Mas nestes livros avaros

S moralizam os tolos

Quem tem farelos tem quintas

Diz o bom rei ao soldado

No tempo em qu ...

Зека Афонсо

O Av Cavernoso

No seremos pais incgnitos

Netos de filhos ignaros

Mas nestes livros avaros

S moralizam os tolos

Quem tem farelos tem quintas

Diz o bom rei ao soldado

No tempo em qu ...

Зека Афонсо

O Canarinho

O av cavernoso

Instituiu a chuva

Ratificou a demora

Persignou-se

Ningum o chora agora

Perfumou-se

Vinte mil lguas de virgens vieram

Inutis e despidas

Fl ...

Зека Афонсо

O Canarinho

O av cavernoso

Instituiu a chuva

Ratificou a demora

Persignou-se

Ningum o chora agora

Perfumou-se

Vinte mil lguas de virgens vieram

Inutis e despidas

Fl ...

Зека Афонсо

O Cavaleiro E O Anjo

O canarinho cai

No cantarinho ai

Do canarinho

O cantarinho cai

Na canarinho ai

Do canarinho

O alarido sai

Do arrudo ai

Do alarido

O arrudo sai

Зека Афонсо

O Cavaleiro E O Anjo

O canarinho cai

No cantarinho ai

Do canarinho

O cantarinho cai

Na canarinho ai

Do canarinho

O alarido sai

Do arrudo ai

Do alarido

O arrudo sai

Зека Афонсо

O Homem Da Gaita

Passos da noite

Ao romper do dia

Quantos se ouviram

Marchando a par

Batem porta

Da hospedaria

Se for o vento

Manda-o entrar

Vejo uma espada

De so ...

Зека Афонсо

O Homem Da Gaita

Passos da noite

Ao romper do dia

Quantos se ouviram

Marchando a par

Batem porta

Da hospedaria

Se for o vento

Manda-o entrar

Vejo uma espada

De so ...

Зека Афонсо

O Homem Novo Veio Da Mata

Havia na terra

Um homem que tinha

Uma gaita bem de pasmar

Se algum a ouvia

Fosse gente ou bicho

Entrava na roda a danar

Um dia passava

Um sujeito e ao lado

Зека Афонсо

O Homem Novo Veio Da Mata

Havia na terra

Um homem que tinha

Uma gaita bem de pasmar

Se algum a ouvia

Fosse gente ou bicho

Entrava na roda a danar

Um dia passava

Um sujeito e ao lado

Зека Афонсо

O Homem Voltou

Um homem novo

Veio da mata

De armas na mo

No soldado

De profisso

guerrilheiro

Na sua aldeia

A me o diz

Duma fazenda

Faz um pas

Colonialism ...

Зека Афонсо

O Homem Voltou

Um homem novo

Veio da mata

De armas na mo

No soldado

De profisso

guerrilheiro

Na sua aldeia

A me o diz

Duma fazenda

Faz um pas

Colonialism ...

Зека Афонсо

O Pastor De Bensafrim

O homem voltou ao solar do amigo

O homem queimou um cigarro na testa

O homem voltou calculando o destino

Andou mais um passo e no viu

Matava ele o tempo numa outra azinhaga

Зека Афонсо

O Pastor De Bensafrim

O homem voltou ao solar do amigo

O homem queimou um cigarro na testa

O homem voltou calculando o destino

Andou mais um passo e no viu

Matava ele o tempo numa outra azinhaga

Зека Афонсо

O Que Faz Falta

ventos do monte

brisas do mar

A histria que vou contar

Dum pastor Florival

Meu irmo de Bensafrim

Natural rezava assim

Passava ele os dias

No seu labutar

Зека Афонсо

O Que Faz Falta

ventos do monte

brisas do mar

A histria que vou contar

Dum pastor Florival

Meu irmo de Bensafrim

Natural rezava assim

Passava ele os dias

No seu labutar

Зека Афонсо

Os Enucos

Quando a corja topa da janela

O que faz falta

Quando o po que comes sabe a merda

O que faz falta

O que faz falta avisar a malta

O que faz falta

O que faz falta av ...

Зека Афонсо

Os Enucos

Quando a corja topa da janela

O que faz falta

Quando o po que comes sabe a merda

O que faz falta

O que faz falta avisar a malta

O que faz falta

O que faz falta av ...

Зека Афонсо

Os Fantoches De Kissinger

Os eunucos devoram-se a si mesmos

No mudam de uniforme, so venais

E quando os mais so feitos em torresmos

Defendem os tiranos contra os pas

Em tudo so verdugos mais ou menos

Зека Афонсо

Os Fantoches De Kissinger

Os eunucos devoram-se a si mesmos

No mudam de uniforme, so venais

E quando os mais so feitos em torresmos

Defendem os tiranos contra os pas

Em tudo so verdugos mais ou menos

Зека Афонсо

Os Ndios Da Meia Praia

Em toda parte baqueia

A muralha imperialista

Na ponta duma espingarda

Os povos da Indochina

Varrem da terra sangrenta

Os fantoches de Kissinger

Mas aqui tambm semei ...

Зека Афонсо

Os Ndios Da Meia Praia

Em toda parte baqueia

A muralha imperialista

Na ponta duma espingarda

Os povos da Indochina

Varrem da terra sangrenta

Os fantoches de Kissinger

Mas aqui tambm semei ...

Зека Афонсо

Papua

*

Aldeia da Meia-Praia

Ali mesmo ao p de Lagos

Vou fazer-te uma cantiga

Da melhor que sei e fao

De Monte-Gordo vieram

Alguns por seu prprio p

Um chegou de bic ...

Зека Афонсо

Papua

*

Aldeia da Meia-Praia

Ali mesmo ao p de Lagos

Vou fazer-te uma cantiga

Da melhor que sei e fao

De Monte-Gordo vieram

Alguns por seu prprio p

Um chegou de bic ...

Зека Афонсо

Paz Poeta E Pombas

Olha enfia a carapua

mas no compres o velho fato de anans

o estilo no se empresta e nada tem sentido

a tua falta, meu papua

Se podes tu no podes

Tanto faz

Experimen ...

Зека Афонсо

Paz Poeta E Pombas

Olha enfia a carapua

mas no compres o velho fato de anans

o estilo no se empresta e nada tem sentido

a tua falta, meu papua

Se podes tu no podes

Tanto faz

Experimen ...

Зека Афонсо

Por Trs Daquela Janela

A Paz viajou em busca da silncio

Sitiou Berlim

Abdicou em Londres

A Paz saltou dos olhos do poeta

Atacada de psicose maniaco-depressiva

Foi nessa altura que as pombas

Зека Афонсо

Por Trs Daquela Janela

A Paz viajou em busca da silncio

Sitiou Berlim

Abdicou em Londres

A Paz saltou dos olhos do poeta

Atacada de psicose maniaco-depressiva

Foi nessa altura que as pombas

Зека Афонсо

Que Amor No Me Engana

*

Por trs daquela janela

Por trs daquela janela

Faz anos o meu amigo

E irmo

No ps cravos na lapela

Por trs daquela janela

Nem se ouve nenhuma estrela

Po ...

Зека Афонсо

Que Amor No Me Engana

*

Por trs daquela janela

Por trs daquela janela

Faz anos o meu amigo

E irmo

No ps cravos na lapela

Por trs daquela janela

Nem se ouve nenhuma estrela

Po ...

Зека Афонсо

Rio Largo De Profundis

Que amor no me engana

Com a sua brandura

Se da antiga chama

Mal vive a amargura

Duma mancha negra

Duma pedra fria

Que amor no se entrega

Na noite vazia?
...

Зека Афонсо

Rio Largo De Profundis

Que amor no me engana

Com a sua brandura

Se da antiga chama

Mal vive a amargura

Duma mancha negra

Duma pedra fria

Que amor no se entrega

Na noite vazia?
...

Зека Афонсо

Ronda Dos Paisanos

Rio largo de profundis

Uma neta pra nascer

Amor avenidas novas

Praa de Londres a arder

No quero martelo e rima

Aqui no Largo da Graa

Quero ficar onde estou

Pa ...

Зека Афонсо

Ronda Dos Paisanos

Rio largo de profundis

Uma neta pra nascer

Amor avenidas novas

Praa de Londres a arder

No quero martelo e rima

Aqui no Largo da Graa

Quero ficar onde estou

Pa ...

Зека Афонсо

Senhor Arcanjo

Ao cair da madrugada

No quartel da guarda

Senhor general

Mande embora a sentinela

Mande embora e no lhe faa mal

Ao cair do nevoeiro

Senhor brigadeiro

No seja ...

Зека Афонсо

Senhor Arcanjo

Ao cair da madrugada

No quartel da guarda

Senhor general

Mande embora a sentinela

Mande embora e no lhe faa mal

Ao cair do nevoeiro

Senhor brigadeiro

No seja ...

Зека Афонсо

Tecto Do Mendigo

Senhor arcanjo

Vamos jantar

Caem os anjos

Num alguidar

Hibernam tbias

Suspiram rs

Comem orqudeas

Nas barbacs

Entra na porta

Menina-faia

Prov ...

Зека Афонсо

Tecto Do Mendigo

Senhor arcanjo

Vamos jantar

Caem os anjos

Num alguidar

Hibernam tbias

Suspiram rs

Comem orqudeas

Nas barbacs

Entra na porta

Menina-faia

Prov ...

Зека Афонсо

Tenho Um Primo Convexo

Num lugar ermo

S no meu abrigo

A terei meu tecto

E meu postigo

De longe em longe

luz das madrugadas

Duas camisas

Quem no tem lavadas?

A serei meu dono< ...

Зека Афонсо

Tenho Um Primo Convexo

Num lugar ermo

S no meu abrigo

A terei meu tecto

E meu postigo

De longe em longe

luz das madrugadas

Duas camisas

Quem no tem lavadas?

A serei meu dono< ...

Зека Афонсо

Teresa Torga

Tenho um primo convexo

Fadado para amnistias

Em torno de ele nadam

Plantas carnvoras

Agitando como plumas

As cordas violceas

O meu primo dormita

Glu glu entre ...

Зека Афонсо

Teresa Torga

Tenho um primo convexo

Fadado para amnistias

Em torno de ele nadam

Plantas carnvoras

Agitando como plumas

As cordas violceas

O meu primo dormita

Glu glu entre ...

Зека Афонсо

Ti Alves

No centro a da Avenida

No cruzamento da rua

s quatro em ponto perdida

Danava uma mulher nua

A gente que via a cena

Correu para junto dela

No intuito de vesti-la

Зека Афонсо

Ti Alves

No centro a da Avenida

No cruzamento da rua

s quatro em ponto perdida

Danava uma mulher nua

A gente que via a cena

Correu para junto dela

No intuito de vesti-la

Зека Афонсо

Traz Outro Amigo Tambm

Amigo

Maior que o pensamento

Por essa estrada amigo vem

No percas tempo que o vento

meu amigo tambm

Em terras

Em todas as fronteiras

Seja benvindo quem vier ...

Зека Афонсо

Traz Outro Amigo Tambm

Amigo

Maior que o pensamento

Por essa estrada amigo vem

No percas tempo que o vento

meu amigo tambm

Em terras

Em todas as fronteiras

Seja benvindo quem vier ...

Зека Афонсо

Utopia

Amigo

Maior que o pensamento

Por essa estrada amigo vem

No percas tempo que o vento

meu amigo tambm

Em terras

Em todas as fronteiras

Seja benvindo quem vier ...

Зека Афонсо

Utopia

Amigo

Maior que o pensamento

Por essa estrada amigo vem

No percas tempo que o vento

meu amigo tambm

Em terras

Em todas as fronteiras

Seja benvindo quem vier ...

Зека Афонсо

Vejam Bem

Cidade

Sem muros nem ameias

Gente igual por dentro

gente igual por fora

Onde a folha da palma

afaga a cantaria

Cidade do homem

No do lobo mas irmo

Capit ...

Зека Афонсо

Vejam Bem

Cidade

Sem muros nem ameias

Gente igual por dentro

gente igual por fora

Onde a folha da palma

afaga a cantaria

Cidade do homem

No do lobo mas irmo

Capit ...

Зека Афонсо

Venham Mais Cinco

Vejam bem

Que no h

S gaivotas

Em terra

Quando um homem

Se pe

A pensar

Quem l vem

Dorme noite

Ao relento

Na areia

Dorme noite

A ...

Зека Афонсо

Venham Mais Cinco

Vejam bem

Que no h

S gaivotas

Em terra

Quando um homem

Se pe

A pensar

Quem l vem

Dorme noite

Ao relento

Na areia

Dorme noite

A ...

Зека Афонсо

Viva O Poder Popular

Venham mais cinco

Duma assentada

Que eu pago j

Do branco ou tinto

Se o velho estica

Eu fico por c

Se tem m pinta

D-lhe um apito

E pe-no a andar

De ...

Зека Афонсо

Viva O Poder Popular

Venham mais cinco

Duma assentada

Que eu pago j

Do branco ou tinto

Se o velho estica

Eu fico por c

Se tem m pinta

D-lhe um apito

E pe-no a andar

De ...

Зека Афонсо

Музыкальный исполнитель Зека Афонсо

Добавьте свою новость

Здесь